top of page
  • Foto do escritorLucas Chiquetto

AC ENTREVISTA: DE MADRI PARA O GUINNESS BOOK. CONHEÇA O ESPANHOL RODRIGO MARTÍN.

Atualizado: 30 de jun. de 2020



Para começar o primeiro Ansiedade Criativa Entrevista com o pé direito, eu entrevistei uma pessoa bastante conhecida no mundo dos games, que já entrou para a história do Livro dos Recordes (Guinnes World Records) o qual tenho uma enorme identificação.


Ele é de Tenerife - Ilhas Canárias, um arquipélago de ilhas no norte da África que pertence à Espanha, mas atualmente mora em Madri, na capital espanhola.


Simpático, gente boa e extremamente solícito, ele tem 32 anos, é formado em Publicidade e Relações Públicas, e atualmente trabalha em uma agência de publicidade como diretor de criação, assim como eu. Rs


Nas horas vagas, coleciona relíquias de causar inveja em qualquer fã Tomb Raider, incluindo roupas que as atrizes Angelina Jolie e Alicia Vikander usaram nos filmes da franquia e, em 2015, entrou para o Guinness World Records, por ser o maior colecionador de memorabilia de Tomb Raider do mundo.


Se você é ou não fã de game, vale a pena conhecer um pouco mais sobre as ideias que transbordam da cabeça do Rodrigo Martín Santos, um espanhol criativo, famoso no meio gamer e cheio de histórias pra contar.


Ansiedade Criativa: Você ama o que você faz? Se sim, o que você mais gosta de fazer no seu trabalho?

Rodrigo: Na maioria dos dias, adoro o que faço, embora a vida seja sempre uma montanha-russa. Não acho que exista uma pessoa no mundo que ame o que faz todos os dias. Há dias em que você se sente realmente otimista e realizado no seu dia a dia e, em outros, sente que gostaria de fazer uma mudança absoluta, fazer algo novo. Eu acho que esse é o estado normal de uma pessoa e, claro, de uma pessoa criativa. Está em nossa própria natureza não nos contentarmos com o que fazemos e querer algo mais.


No meu trabalho, gosto muito de criar campanhas publicitárias que se afastam da minha zona de conforto. Adoro quando novos projetos desafiam a minha criatividade. Quando vivo muito tempo fazendo algo semelhante, acabo entediado e não satisfeito com a monotonia.


AC: Desde sempre trabalhou na área ou se aventurou em alguma outra que não tem nada a ver com você?

R: Algumas vezes, eu participei de projetos que não estavam intimamente relacionados a mim ou à minha personalidade. Obviamente esses tipos de projetos tendem a atrair menos minha atenção, mas tento dar a eles uma nova abordagem até que se tornem meus e passem a chamar minha atenção. De qualquer forma, é sempre muito mais fácil abordar um projeto com o qual você se identifica, aprende a colocar toda a sua paixão nele e, no final das contas, é muito mais fácil e agradável.


AC: Se você pudesse viver da sua paixão, o que você faria? Gostaria, de alguma forma, viver só dela?

R: Na minha vida, sempre tentei seguir as minhas paixões ou, pelo menos, tentar direcionar a minha vida com objetivos que me aproximassem mais delas. Profissionalmente, eu adoraria me dedicar à publicidade criativa no mundo do cinema, embora minha maior paixão na vida seja abrir um salão de exposições da franquia Tomb Raider, para mostrar o conteúdo da franquia, sua trajetória, arte, criatividade e como isso influenciou a cultura popular e os videogames. Eu acho que seria uma exposição interessante e que as pessoas poderiam apreciar como mais uma maneira de valorizar a arte.


AC: Qual paixão você tem praticado neste período de quarentena?

R: Durante essa quarentena, tenho praticado atividades muito diversas, desde a pintura - não apenas no campo artístico - mas também no sentido mais cotidiano, como reformar algumas paredes da minha casa, além de jardinagem, praticar esportes, assistir a filmes, dormir (sim, também pode ser uma paixão), passar mais tempo com meus animais de estimação, pensar em minha própria existência, costurar, ler livros... Acho que tive a oportunidade de fazer tudo o que eu gostaria de fazer dentro das limitações da situação situação atual.


AC: Uma das suas paixões, assim como a minha, é Tomb Raider e sua protagonista Lara Croft. Essa paixão fez você entrar no Guinness Book, em 2015. Por favor, conte-me um pouco sobre como foi esse processo e como foi para você estar em um livro de títulos tão expressivos?

R: Eu costumava publicar fotografias da minha coleção online e um dia abri meu e-mail e o Guinness World Records entrou em contato comigo dizendo que eles estavam procurando publicar um registro sobre isso na edição de seu próximo livro (o de 2015). O fato é que eles entraram em contato com muitas outras pessoas (algumas também eram fãs conhecidas da franquia em outros países) para encontrar a maior coleção do mundo relacionada a Lara Croft e Tomb Raider. Para validar o registro, ele teve que numerar cada objeto antes em um inventário e justificá-lo com uma foto de cada coisa para realizar a contagem oficial do Guinness World Records. Depois de assinarem todas as declarações legais perante um inventário de todas as pessoas que participaram do processo, eles me disseram que a minha era a maior do mundo e que queriam vê-la pessoalmente para fazer uma sessão de fotos para o livro e entrevistas na televisão, na imprensa escrita e mídias digitais. E, então, fizemos isso.


AC: Desde quando começou sua paixão por Tomb Raider e Lara Croft?

R: Comecei minha paixão por Tomb Raider aos 9 anos de idade com o primeiro jogo da franquia, em 1996. Fiquei deslumbrado com o conceito do jogo e com Lara Croft e, a partir desse momento, acompanhei todos os jogos da saga com a mesma paixão.


AC: Desde quando você começou a colecionar objetos da série Tomb Raider?

R: Comecei a colecionar itens desde o primeiro momento em que comprei o primeiro jogo. Primeiro, você precisa ter os jogos e, depois, começa a colecionar outros objetos relacionados. Comecei com os pôsteres, depois com os livros e figuras, até que, finalmente, comprei praticamente tudo o que vi sobre a franquia, como parte do legado cultural da marca.


AC: Você tem algum objeto favorito que tenha um grande valor sentimental?

R: Eu amo meu desenho original de Toby Gard, criador de Lara Croft. Também amo o casaco que Angelina Jolie usou nas cenas da Sibéria, do primeiro filme Tomb Raider, em 2001. Recentemente, comprei dois figurinos usados ​​por Alicia Vikander no novo filme de Tomb Raider, em 2018, mais precisamente o que foi usado na ilha de Yamatai, e o traje usado nas cenas de bicicleta, em Londres. Esses são provavelmente os objetos que mais amo hoje, embora seja difícil escolher um, porque eu realmente amo todos os objetos da minha coleção e, para mim, eles têm um valor emocional muito grande.


AC: Você tem alguma ideia de quanto já investiu em sua coleção?

R: Eu realmente não gosto de falar sobre números. O Guinness Book of Records avaliou minha coleção em seu último livro de 2018 e estimou um valor total de mais de US$ 300.000 (mais de um milhão e meio de reais). Eu nunca realmente calculei o valor total da minha coleção. É difícil saber e seu valor está aumentando constantemente.


AC: Qual foi/é o seu objetivo em ter uma coleção tão grande?

R: Na verdade, o objetivo da minha coleção é apreciá-la e preservar o legado da franquia. Seu objetivo específico é servir ao público, por meio da coleção, conservação, exibição e interpretação de objetos e artefatos de Tomb Raider e Lara Croft, usando a coleção para fornecer experiências educacionais, estéticas, intelectuais e culturais significativas para uma ampla variedade de públicos e levar outras atividades de caridade e educação associadas a esse objetivo.


AC: Você já jogou todos os jogos? Se sim, qual foi o seu favorito e por quê?

R: Sim, claro. Eu joguei todos os jogos. Meus favoritos da época da Core Design são o primeiro Tomb Raider, de 1996, e, da Crystal Dynamics, é Tomb Raider Legend, 2006.



Agora, pra finalizar a entrevista, vamos de algo mais espontâneo e direto:


AC: Uma atriz ou ator favorito...

R: Angelina Jolie


AC: Uma música favorita?

R: Acho que não tenho uma música favorita, embora por muitos anos tenha considerado "Die Another Day", da Madonna, uma música que eu realmente amei.


AC: Um filme favorito ...

R: Kill Bill, de Quentin Tarantino


AC: Um lugar no mundo que você já conheceu e que o marcou muito …

R: Possivelmente, o Reino Unido. Lá, morei por alguns anos e é um país que tive a oportunidade de visitar por inteiro. Eu costumo ir todos os anos.


AC: Um lugar favorito na Espanha …

R: Meu coração e alma estão sempre entre Madri e Tenerife. Então os dois lugares.


AC: O que você espera do novo normal após a pandemia?

R: Estou ansioso por tudo voltar ao que era antes e deixar todo esse problema para trás. Aprendi a valorizar muito mais as pequenas coisas e a agradecer.


AC: Algo que deixa você ansioso?

R: Possivelmente saber que tenho coisas para terminar ou questões pendentes. Sou muito organizado e gosto de manter tudo atualizado.


AC: Uma ideia ou pensamento que flui da sua cabeça ...

R: Poder viver um ano da minha vida viajando pelo mundo, conhecendo diferentes lugares, culturas, experiências... que me fazem ter uma visão mais global do mundo e me dê uma nova perspectiva.


AC: Uma mensagem para o mundo ...

R: Tente viver sempre fazendo o que realmente te faz feliz. Se houver algo dentro de você que lhe diga onde está o caminho, siga-o e veremos mais adiante.


Agora, pra finalizar mesmo, cá entre nós: se as pessoas à minha volta achavam que eu era muito fã, o que falar do Rodrigo, agora que conhecemos um pouco mais sobre suas ideias e paixões que transbordam da cabeça?! hauahu.


Rodrigo, muito obrigado pela entrevista. A partir de agora, você passa a fazer parte da história do blog, como o primeiro entrevistado. ;D


Obrigado por acreditar!

Commenti


bottom of page